quarta-feira, 15 de setembro de 2010

ESTRANHEZA

A menina tem insônia todos os dias... 
rói as unhas, fantasia coisas que nunca aconteceram e sonha com outras que poderiam acontecer... mas que nunca irão...

Beija o cachorro pensando em um príncipe... que já foi ogro... que ficou no lodo dos seus pensamentos e nunca mais saiu...

Finge uma tranquilidade que não existe,finge ser alegre mas está tremendamente triste... finge saber quem é, mas nem do seu nome gosta mais...

Essa aparente lucidez a deixou estagnada à beira da janela... levou suas unhas desmaltadas à boca e sentiu um beijo morno daqueles que foram tão frequentes e que hoje já não existem mais...

Não se permite chorar... precisa sofrer assim como espécie de punição a todo mal que causou e sabe que o mal maior foi a menina que outrora ela era...

Essa que aqui está, aprendeu a olhar por sob os óculos
franzir o cenho
comprimir os lábios
apagar os sinais da lágrima
antes mesmo que ela teime em aparecer...
nada de inspiração feliz e palavras contentes
apenas os traços de um dia que aspirou ser
e o que ela era quando estava "menina"...
(Alde)

2 comentários:

Valter Montani disse...

Olá Aldenir, já aceitei o convite e estou te seguindo nos dois blogs se puder venha conhecer meu blog de cartões:
http://poetacards.blogspot.com/

Carol Andrade disse...

Oie Aldenir. Você escreve muito bem, parabéns pela intensidade das palavras e dos sentimentos. Já estou lhe seguindo. Obrigada pela visita e volte sempre. Beijo e sucesso!