sábado, 11 de fevereiro de 2012

DEIXA PRA LÁ

"PARA O TRIUNFO DO MAL SÓ É PRECISO QUE HOMENS BONS NÃO  FAÇAM NADA." (Edmund Burke)

Muitas vezes vemos coisas erradas como falta de humildade, falta de humanidade, falta de compaixão, falta de amor, falta de empatia, falta de simpatia, falta de comunhão, falta de irmandade, falta de coragem, falta de agilidade, falta de sossego, falta de tranquilidade, falta de bondade, falta de benignidade, falta de longanimidade e tantas outras faltas. Assistimos tantos disparates em nosso meio, na vida real que nos acostumamos a 'deixar pra lá'... 'Deixa pra lá', todos deixaram o que EU posso fazer? 'Deixa pra lá' não vai dar em nada mesmo! Pior, 'Deixa pra lá' nada nem ninguém consegue mudar essa situação!

Pasmem!! Estou falando de ambiente cristão. Sim! Pessoas declarantes crentes no poder de Deus para transformar vidas, para mudar o que quer que seja. Há muita fala dentro das igrejas. Fala de Deus, do Seu imenso amor, da Sua bondade, do que Ele faz e fará mas há pouca demonstração de tudo isso através das vidas. Sim! Nós somos peritos em mostrar o caráter de Deus. Quando somos indagados: 'Quem é Deus?' respondemos prontamente com voz quase trêmula: "DEUS É NOSSO REFÚGIO, FORTALEZA, SOCORRO, AMOR". Mostramos claramente que conhecemos todos os atributos de Deus! Alguns até utilizam o padrão mais culto da língua (não que isso não se deva, claro) para impostar uma certa confiabilidade: 'O SENHOR É EXCELSO E MAGNANIMO"! Talvez o interlocutor nunca tenha ouvido as duas palavras citadas, mas ele saberá que é algo estupendo. (aliás esta última palavra não se usa tão corriqueiramente assim)

Mostramos Deus! Como se fosse um produto. Sorrimos, abrimos os braços, gesticulamos, fechamos os olhos até. Que bom! Mostramos Deus, como marqueteiros e dos bons. Bem que Deus poderia nos contratar como Departamento de Marketing dos céus. Afinal, mostramos (uma forma eufemística de dizer 'vendemos') Deus de forma perfeita!

As igrejas estão cheias de 'mostração' de Deus! Algumas com recursos mais simples, ainda com culto nos livretos de cânticos, uma guitarra velha faltando uma corda, com aqueles irmãos que vão fazer apresentações e dizem na introdução: "Vou louvar a Deus... não ensaiei, mas não tem problema, Deus aceita mesmo assim". Outras, com mega shows, lousas interativas, cultos transmitidos quase que holograficamente, tecnologia de ponta nas mesas de som, equipamentos caros, instrumentos valiosíssimos. Som, Câmera e Ação... Pessoas trajadas na mais fina estampa (e não me refiro à novela), cada um disputando a melhor roupa nova para o próximo culto.

Cultos cada vez mais controlados, com horários reduzidos, pois estamos na era do fast-food, tudo rápido, afinal nossa vida é preciosa, precisamos vivê-la e convenhamos, domingo à noite precisamos chegar cedo em casa, pois... pois... é... bem...

Ao final do culto, antes de responder ao 'boa noite' do irmão, ouve-se a pergunta: "fulano, viu aqueles despudorados embaixo do edredon"? E aí a conversa se estende um pouquinho mais. Claro, esse comentário foi apenas para é... é... 'orar por esses programas inadmissíveis que envergonham nossos lares e práticas dos bons costumes'.

E assim foi a mostragem desse Deus. Com duração mais ou menos de 2 horas. Mostramos Deus. Mostramos Jesus. Mostramo-nos!

Eu iniciei dizendo que muitras vezes nos omitimos diante das situações erradas. O mundo tem invadido a igreja de tal forma que não conseguimos mais discernir entre liberalidade e verdades imutáveis. O hedonismo toma conta de nossas programações, de nossas atuações, de nossas ações. As pregações não podem ser coersitivas pois muitos sentem-se afetados e dispensam mais um 'estresse' em suas zonas de confortos.

Vemos pessoas tratando uns aos outros com dureza de coração, olhos que não se cruzam, perdão não liberado, perdão não solicitado, corações magoados, comentários maldosos e tendenciosos, práticas fora do padrão bíblico, coisas escondidas. Isso, dentro das nossas igrejas. No mundo essas ações são normais até, embora exista um código de moral e ética que também proíbem tais práticas, mas dentro dos templos percebemos um distanciamento entre aquilo que se prega e o que se vive, e? Deixamos pra lá!

Mostrar Deus é diferente de Demosntrar o seu caráter! Precisamos demonstrar o amor, não só falar. Demonstrar a confiança, não apenas mencionar em nossos discursos inflamados. Demonstrar compaixão! O melhor mestre de todos os tempos nos ensinou de maneira simples como demonstrar. Ele próprio demonstrou com a sua própria vida.
 
Em João 1:45-46, Filipe encontrou Natanael e lhe disse: “Achamos aquele de quem Moisés escreveu na lei, e a  quem se referiram os profetas, Jesus, o Nazareno, filho de José. Perguntou-lhe  Natanael: de Nazaré pode sair alguma coisa boa? Respondeu-lhe Filipe: Vem e  vê”

Podemos dizer isso? Alguém pergunta: 'o que Deus pode fazer por mim?' E dizemos: Vem e vê! E a pessoa começa a nos acompanhar e perceber o amor, a mesma compaixão vista em Jesus, também em nossa vida, em nossas ações, em nossas atitudes. Demonstrar é isso! Não apenas dizer a alguém que está faminto: 'que o Senhor te alimente, te ajude, te conforte' mas considerarmos que somos o recurso de Deus para abençoar a vida daquela pessoa.

Vem e vê! Somos capazes de abrir os portais das nossas almas? Abrir as janelas de nossos cômodos mais escondidos? Fazer que Deus transpareça através de nosso olhar? De usar a nossa língua para simplesmente abençoar?

Vem e vê! Talvez seja hora de ouvirmos esse convite de Filipe a nós mesmos que nos consideramos 'velhos' de caminhada com o Senhor.

Ouse! Diga ao seu companheiro de trabalho, ao seu colega, ao seu namorado(a), familiares, amigos, vizinhos, companheiros, amados, conhecidos: 'Vem e vê'! 

Ou, vamos continuar a deixar pra lá???

Aldenir Maller

Um comentário:

Anônimo disse...

NOVO OLHAR SOBRE A MATEMÁTICA,
http://www.ufpa.br/beiradorio/novo/index.php/leia-tambem/124-edicao-93--abril/1189-novo-olhar-sobre-a-matematica

Quem quiser material, fazer capacitação, etc, é gratuito, peça: jbn@ufpa.br